15.11.05

Alegria do povo

Nelson Vasconcelos | O Globo

Pequena nota publicada há alguns dias mostra que a mídia online continua despertando cobiça. Dizia que a Walt Disney e a Univision estão pagando US$ 425 milhões pelo direito de transmitir para os EUA as copas de 2010 e de 2014. Americano não é tão chegado a futebol, a gente sabe, e o segredo de tão alta cifra é que os direitos valem também para transmissão via celular e via internet.

A Univision — poderosíssima no mercado hispânico nos EUA — pagou agora US$ 325 milhões, contra US$ 175 milhões que tinha pago pelos direitos da última copa e da próxima. Já a Walt Disney (que controla os canais ABC e ESPN, entre outros) desembolsou US$ 100 milhões, contra US$ 40 milhões das outras vezes.

Exercícios de futurologia são sempre um perigo — principalmente num mercado tão dinâmico quanto o que envolve as tecnologias da informação. Podem surgir novidades que modifiquem tudo o que temos hoje. E tomara que aconteça isso mesmo.

Mas especular não custa nada, ainda mais num feriado. Para nós, espectadores à distância, como assistiremos à Copa de 2010, que será realizada na África do Sul?

A primeira idéia que devemos ter é a seguinte: muito provavelmente, a televisão estará bem diferente do que é hoje. Como já se sabe, é para a internet que a TV está migrando. Não tem jeito, mesmo que a gente aqui do lado pobre do mundo não tenha acesso amplo e irrestrito à chamada TV sobre IP. Isto significa mais interatividade e instantaneidade. Mais que isso, é a possibilidade de que qualquer espectador razoavelmente bem aparelhado, ali na beira do gramado, consiga enviar sua mensagem para qualquer lugar do mundo, a partir de seu celular, por exemplo. O que temos hoje em blogs e fotologs (que podem ser alimentados via celular) certamente ganhará seu equivalente na TV. É um caminho natural — e sabem disso, por exemplo, pesos pesados como Alcatel e Juniper, empenhadíssimas em disseminar pelo mundo a infra-estrutura que permita essa mudança.

Não deve ser uma boa perspectiva para quem paga milhões pelos direitos exclusivos de transmissão. O que me faz arriscar, neste rompante de chutologia, que os organizadores vão impedir a entrada — ou o funcionamento — nos estádios de dispositivos móveis capazes de transmitir imagens. Exagero? Nem tanto. É mais ou menos o que se faz hoje em eventos musicais (por sinal, patrocinados por operadoras de telefonia celular), onde se proíbe o uso de... celulares, mesmo para uso pessoal.

— Daqui a quatro anos muito provavelmente estaremos vendo TV ao vivo no celular — arrisca Marco Barcellos, diretor de Marketing da Avaya Brasil. — A TV não será mais a mídia principal a receber as informações dos jogos.

Em projeções otimistas, essa explosão eleva o número de telespectadores da partida final — hoje calculado em 30% da população mundial — para 50% do planeta. Quiçá, de outros...

Imagine-se, então, a venda de espaço publicitário para as mais diferentes (porém convergentes) mídias. Cada câmera na beira do gramado estará transmitindo lances para TVs abertas, a cabo, TVs sobre IP, celulares, handhelds, reloginhos do Mickey, o diabo.

— A Copa de 2010 estará centrada no mundo IP, que não tem limite. Isso abre espaço para você imaginar qualquer aplicação — diz Barcellos. — E será uma copa sem fios.

Se na Copa de 2002 foram transmitidos 12 terabytes (12 trilhões de bytes) em dados, a perspectiva é de que esse volume chegue a 20 trilhões em 2010. Para efeitos de comparação, a maior biblioteca do mundo, a do Congresso dos EUA, dispõe de nove terabytes de dados. Incrível.

Numéricas

A ONU divulgou semana passada um relatório estimando o número de usuários de internet em todo o mundo. Segundo a entidade, havia 875 milhões de pessoas com acesso à rede em 2004. Em primeiro no ranking, claro, estão os EUA, com 185 milhões de internautas. Em segundo está a China, com 94 milhões, seguida pelo Japão, com 75 milhões de usuários.

O Brasil fechou o ano como o décimo país em número de internautas. Eram mais de 22 milhões de brasileiros conectados à rede no fim do ano passado, contra cerca de 18 milhões em 2003. Do povo todo, somente cerca de 10% acessam a internet via banda larga. Pouco, muito pouco, mas o crescimento em relação a 2003 foi bem positivo nesse mercado: nada menos que 88,2%.

Aqui na América Latina, depois do Brasil, estão o México (14 milhões) e a Argentina (cinco milhões).

Um comentário:

Anônimo disse...

Jeanette's new skin and those playhouses
Filed under: Blogs and Blogging You MUST go see Jeanette's new Thanksgiving-themed design - it's really very pleasing to the eye! And while you're there, take a look at Ed's exquisite playhouses.
Find out how to buy and sell anything, like things related to quality assurance highway construction on interest free credit and pay back whenever you want! Exchange FREE ads on any topic, like quality assurance highway construction!